O Barão de Itararé, o humor do Katteca e o antídoto às mazelas dos poderosos de plantão: rir é o melhor a se fazer contra o desgoverno de Caiado

Após a derrota da Revolta de 1935, Apparício Torelly, vulgo Barão de Itararé, foi preso no navio-presídio Pedro I, ancorado na Baía de Guanabara. Muitos militantes de esquerda, mesmo não vinculados diretamente à revolta, foram detidos. 

Durante as noites, policiais invadiam as celas e surravam os prisioneiros. Numa dessas noites, Apparício gritou: “Viva a Revolução!”, os meganhas partiram para cima dele, que completou:” … de 30!”. O riso dos prisioneiros soou alto e desmontou a agressividade dos agentes.

Nas tirinhas em que diariamente instiga o leitor de O Popular, o cartunista Britvs e a criatura Katteca seguem o riscado do Barão de Itataré e estão sempre desmontando com riso e bom humor os poderosos de plantão.

Na edição desta terça-feira (26) da tirinha, decepcionado com o governo, Katteca resolve ir embora . Ao pegar a rodovia GO 00, ele conversa no celular com a mulher Carmita, que diz que é suicídio transitar nas estradas goianas. 

“Vai com calma, amor, que você vai sobreviver”, assinala, lembrando, que não existe mais Marconi e a Agetop. No fim da tirinha, o carro de Katteca aparece arrebentado pelos buracos da imaginária rodovia GO 00, que com a ineficiência de Caiado no governo é mais real do nunca em Goiás.

A arte imita a vida, já dizia Aristóteles, mesmo quando se trata de humor: a buraqueira nas estradas virou um tormento para os goianos.

Britvs e Katteca foram certeiros no alvo e acertaram a crítica na mosca. 

Confira a tirinha do Katteca desta terça-feira (26):