Governo usa cláusula ilegal de edital para justificar desrespeito a cronograma de concurso da Educação

O governo Caiado utiliza-se de uma cláusula ilegal para justificar o desrespeito ao cronograma de seleção de servidores e professores do último concurso para Educação. O edital determinava que o Estado divulgaria a lista final de aprovados aptos no dia primeiro de abril de 2019, mas não divulgou. Uma nota divulgada no site da Seduc diz que o atraso “tem respaldo” na cláusula que diz que as datas do cronograma estão sujeitas a alterações. Negativo: edital é para ser religiosamente seguido.