Ação da bancada evangélica na Assembleia para barrar indicação de Bia de Lima para CEE é um grande retrocesso

A intenção da bancada evangélica de rejeitar a indicação de Bia de Lima, presidente do Sintego, para compor o Conselho Estadual de Educação é um enorme retrocesso e um verdadeiro disparate.
A alegação é que a dirigente sindical se declarou favorável à educação da gênero.
As trevas estão de volta.