MP não encontra evidências de que Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, negociava carros

Reportagem de Chico Otávio e Juliana Dal Paiva, na edição desta segunda-feira (6) do jornal O Globo, revela que promotores que investigam o caso Fabrício Queiroz não encontraram evidências de que a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta do ex-assessor de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) se deve a compra e venda de carros e outros negócios informais.

A falta de elementos que comprovem esse tipo de negociação levou o Ministério Público do Rio de Janeiro a pedir a quebra de sigilo fiscal do filho de Bolsonaro e de seu ex-assessor.