Jornalista Marcus Vinicius cita levantamento e crava: “Números registram o esgotamento na política de incentivos fiscais adotada em Goiás”

Em texto recheado de informações e dados no site Diário de Goiás, o jornalista Marcus Vinicius mostra que a política de incentivos fiscais adotada em Goiás, que teve resultados positivos, chegou,m porém, ao fim. “Os números também registram o esgotamento na política de incentivos fiscais adotada ao longo das últimas décadas pelos governos de Goiás. O Estado está registrando queda na arrecadação, perdendo dinamismo na região Centro-Oeste, e vendo outros Estados tendo crescimento expressivo sem abrir mão de receita na velocidade e na quantidade que acontece por aqui”.

Ele se refere ao levantamento feito pela economista  Vilma Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), a pedido da Federação Brasileira de Associação de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite). O trabalho minucioso mostra que de 2012 a 2018, Goiás disputou com o Amazonas o título de Estado com maior renúncia de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do país. Em 2012 Goiás abriu mão de 51,1% de sua arredação via incentivos fiscais, e neste ano arrecadou R$ 16.097 bilhões; Amazonas abriu mão de 67,5% e arrecadou R$ 9.204 bilhões; em 2018, Goiás experimentou queda de 342 milhões no recolhimento de ICMS, que ficou em R$ 15.755 bilhões; neste mesmo ano, Amazonas arrecadou R$ 9.256 bilhões (52 milhões a mais, na comparação com o ano de 2012), diante de uma renúncia ainda maior: 69,50%.

O levantamento revela que se não tivesse ocorrido nenhum tipo benefício fiscal, Goiás teria arrecadado R$ 24,326 bilhões em 2012 e R$ 23.617 bilhões em 2018. O Amazonas, ficaria com 15,416 bilhões (2012) e R$ 15.662 (2018), respectivamente.