Aparecida de Goiânia: Mendanha cobra de Caiado atenção às demandas do segundo maior município de Goiás

Entrevistado especial na estreia do programa Estação Aparecida, na Rádio Sagres 730 AM, o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (MDB), cobrou do governador Ronaldo Caiado (DEM) atenção às demandas do segundo maior município de Goiás.

Mendanha reclamou da falta de atenção de Caiado com Aparecida. Ele disse que não conseguiu estabelecer diálogo com o governado, apesar de inúmeros pedidos de audiência que encaminhou. Nem mesmo resposta ele recebeu de Caiado.

“Eu tenho uma relação muito próxima com o secretário do Desenvolvimento Econômico, mas com o governador não tenho diálogo, e não por minha culpa. Solicitei audiências  não nada foi marcado e nem sequer obtive resposta. Parece que Aparecida é uma ilha fora de Goiás. Espero que o governador tenha sensibilidade e nos dê a atenção merecida”, assinalou

De acordo com Mendanha, o governo federal, através da interlocução dos deputados federais goianos e dos senadores, é que tem dado respaldo à administração de Aparecida. Segundo ele, o elo entre a cidade e o governo federal tem sido fundamental para o crescimento do município.

O prefeito demostrou também preocupação com a política de restrição de incentivos fiscais implementada por Caiado para empresas que estão em Goiás. Ele acredita que isso vai prejudicar drasticamente Aparecida de Goiânia e outros municípios em fase de industrialização.

“Isso preocupa muito não só a cidade de Aparecida, mas todas as cidades que tem vocação industrial. Muitas empresas estão discutindo a saída do Estado de Goiás devido ao corte dos incentivos, principalmente para se transferirem para Brasília”, afirmou.

“Um líder político me perguntou uma vez qual foi o grande governador para o Estado de Goiás. Eu fiquei esperando a sua resposta e ele disse: foi Itamar Franco. Eu retruque: Itamar Franco não foi governador em Goiás. Aí ele disse, com sabedoria:  Itamar Franco foi governador de Minas e cortou os incentivos ficais e muitas empresas de Minas vieram para o nosso Estado. Por isso, foi o melhor governador de Goiás. Então, eu espero que o nosso governo não siga na contra mão e não faça como Itamar Franco.O nosso Estado pode perder empresas”, finalizou.