À frente do maior sistema de transporte coletivo da América Latina, Baldy mostra que dá conta do recado

Nada menos do que 10 milhões de passageiros circulam todo dia no sistema de transporte público do Estado de São Paulo, composto por um emaranhado de linhas de trem, metrô e ônibus. Juntos, estes serviços atendem a 7,8 milhões de usuários, o que corresponde a 75% de todas as pessoas que utilizam trens e metrôs no Brasil. À frente desse desafio está Alexandre Baldy, o goiano de 38 anos que o governador João Doria (PSDB) mandou buscar para sua administração.

Baldy iniciou a construção de estações, autorizou obras de melhoria em acessibilidade e investiu na humanização da equipe, de modo a melhorar o atendimento ao passageiro. Em audiências e eventos da gestão, Doria aproveita cada oportunidade que tem para dizer que Baldy está dando conta do recado.

O goiano deu cabo a demandas que existiam há décadas. Uma das suas primeiras ações foi a permissão para o tráfego de animais domésticos nos meios de transporte metropolitanos, com horários e regras específicas. Este era um pedido antigo dos paulistas e foi regulamentada na primeira semana de trabalho do secretário.

Na CPTM, Baldy realizou as mudanças necessárias para acabar com à baldeação a que eram obrigados a fazer os passageiros da Linha-11 Coral. O serviço hoje se chama Expresso Leste-Mogi e atende cerca de 230 mil pessoas por dia.

Baldy ampliou serviços: desde o dia 2 de abril, a CPTM oferece mais viagens entre as estações Brás e Aeroporto de Guarulhos na Linha 13-Jade, o chamado serviço Connect, sem precisar fazer transferência em Engenheiro Goulart na Linha 12-Safira. Além de ampliar os horários e dias do Expresso Aeroporto, que sai da Estação da Luz com destino ao aeroporto de Guarulhos.

O secretário criou serviços diferenciados para facilitar a vida de quem vive em São Paulo.  A CPTM customizou um serviço especial para o público do ABC. É o Expresso Linha 10+, que aos sábados vai da Estação Santo André à Estação da Luz. Perfeito pra quem vai trabalhar, fazer compras ou passear no centro de São Paulo no sábado.

Outro destaque nesse início de gestão é um novo modelo de parceria com a iniciativa privada para a construção de estação. Pioneiro no Estado, o projeto traz benefícios para a CPTM, para os passageiros e para o setor privado. As obras da estação João Dias, na Linha 9-Esmeralda, serão bancadas por uma empresa que vai erguer um empreendimento imobiliário junto ao local. A iniciativa privada vai arcar com 100% dos custos da estação.

O goiano retomou as obras da Linha 15-Prata, que vai atender a cerca de 500 mil pessoas por dia. A previsão é que as obras de quatro novas estações sejam concluídas ainda em 2019, com ciclovia e paisagismo ao longo de toda a rota do monotrilho, logo abaixo das vias suspensas.

Baldy luta para iniciar as obras do Trem InterCidades, nos trechos que vão até Santos e até Campinas. Essa era uma ação desacreditada por parte da população nos últimos anos e que deve sair do papel em breve.

Em resposta às duras críticas que a população de São Paulo ao Expresso Aeroporto, que não ligava o terminal até GRU, Baldy tomou providências. Era necessário pegar um ônibus para chegar aos terminais. A solução não custou nada aos cofres públicos do Estado de São Paulo. Foi garantida a obra que vai ligar a Estação Aeroporto, da Linha 13, aos terminais Guarulhos por meio de um monotrilho, bancada pelo governo federal. Essa ligação vai beneficiar todos os brasileiros e estrangeiros que passam por Guarulhos e precisam chegar até o centro de São Paulo.