Ação civil pública solicita instalação de bloqueadores de celular nas unidades prisionais de Goiás

Uma ação civil pública (ACP) solicita que o governo do Estado retome a instalação de bloqueadores de celular em unidades prisionais (UP) de Goiás. A medida pede que o Palácio das Esmeraldas contrate, em um período de seis meses, uma nova empresa para prestar o serviço, interrompido há mais de um ano por falta de pagamento.

O documento pede também que uma licitação para a escolha da empresa seja feita no prazo de 60 dias. O autor da ACP, promotor Marcelo Celestino, acredita que a medida é importante para coibir a comunicação de detentos com criminosos em liberdade.

“[A falta dos bloqueadores] coloca em risco a população, tendo em vista que as lideranças das facções criminosas estão dentro do complexo prisional fazendo comunicação externa, determinando o cometimento de crimes”, ressaltou Marcelo. (Site Mais Goiás)