Até colunista social faz média com os protestos. Mas eles também são alvo

O colunista social das edições de domingo de O Popular, Arthur Rezende, aproveita os protestos de rua para fazer média com os leitores.

Arthur se esquece de que ele e a sua profissão também estão incorporados ao “status quo” rejeitado pelas manifestações.

Sim, porque os protestos não são contra a política apenas. A grande imprensa é alvo e o jornalismo vazio que vive de mostrar novos ricos sorridentes e bem sucedidos também agride e cansa as pessoas que, definiu o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, “enfrentam o inferno do dia a dia”.

Na mesma página, nesta segunda-feira, em que comemora os protestos de rua, Arthur Rezende elogia políticos e exalta milionários goianos que viajaram a Las Vegas para uma festa de casamento.

 

LEIA MAIS:

Jornalistas fingem que protestos nada tem a ver com eles. Mas vão ter de fazer autocrítica também

Cileide faz a lista de alvos das manifestações e se esquece de incluir a “grande imprensa”

Artigo de Wanderley Faria é ato de lucidez em meio a festival de tolices na imprensa goiana

Alô Cileide, Karla, Fabiana, Zarur, Aesse e colegas: protestos são também contra a grande imprensa, não vão falar nada?

Alô imprensa goiana! Protestos também são contra vocês, que não representam a sociedade