Caiado transforma Edival Lourenço em “coveiro da produção cultural em Goiás”, diz produtor ao Diário de Goiás

Representante cultural de Goiás, o produtor cinematográfico, Wilmar Ferraz, disse ao site Diário de Goiás que o momento cultural  vivido como “uma caça às bruxas” e completa : “A Arte e a Cultura tem sofrido todo tipo de revés não apenas como uma situação econômica de momento, mas parte de um projeto maior de quebra da identidade nacional através da imposição de conteúdos aceitável ao governo atual e tendo a Arte e a Cultura como contra ponto,  a necessidade de calar essa capacidade de inserção junto à sociedade”.

“Desvincular a verba do FAC e mudar a forma de financiamento da Lei Goyazes é literalmente o fim da atividade artística e cultural em Goiás. O que mais choca nisso tudo é que o governador Ronaldo Caiado recria a Secretaria, escolhe um titular da pasta do meio cultural e oferece a ele a condição de coveiro da produção cultural em Goiás”, afirmou ao Diário de Goiás.

Ferraz acredita que o governo de Goiás não tem desejo de quitar as dívidas anteriores com a cultura. “O governo não quer quitar as dívidas do FAC de 2015, 2016, 2017 e o edital lançado em 2018 não há perspectiva de pagamento, e ainda não lançaram o edital 2019. Com esse decreto, Caiado simplesmente acaba com a existência dessa fundamental ferramenta de apoio a Arte e a Cultura transformando a recém criada Secretaria de Cultura a uma mera realizadora de eventos”, ressalta.