Mordomia e privilégio: Vanderlan pediu passaporte diplomático para a mulher

Apesar de ser eleito com a promessa de renovação das práticas parlamentares, o senador Vanderlan Cardoso  comete os mesmos pecados da chamada velha política, tão criticada por ele como mote de campanha. Mas era apenas para ganhar o voto dos eleitores desavisados e esperançosos. Eleito, ele vai no mesmo caminho, como é o caso da emissão de passaportes diplomáticos para ele e a mulher. O documento permite uma série de regalias e mordomias a quem possui.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, pasta responsável pela confecção do documento, esse é um “direito” dos políticos assegurados no decreto n° 5.978, de 2016. O passaporte diplomático oferece uma série de privilégios ao titular. Dentre ele estão: não ficar na fila da imigração, ter tratamento menos rigorosos das autoridades e dispensa de vistos. Além de ser totalmente gratuito. Já o cidadão comum paga R$ 257,25 para a confecção do documento.