Curso de Educação Física da UEG, que já foi o melhor do Brasil, pode acabar em dezembro

Informação urgente e exclusiva do Goiás 24 Horas: o blog conversou com alunos do curso de Educação Física da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e descobriu que o curso encontra-se no fio da navalha, sob séria ameaça de desaparecer. Retirados do prédio da Eseffego depois que um teto caiu e janelas foram quebradas, os alunos estão sendo agora expulsos do Centro de Excelência do Esporte – que realmente era de excelência no governo passado – pela Secretaria de Educação. A turma não tem para onde ir. 

Ainda que continue no Centro de Excelência, os estudantes perderam acesso à piscina e à pista de atletismo por uma determinação da Seduce, que também ocupa o local. Há dias em que não tem nem sala para estudar. No antigo prédio da Eseffego a situação é ainda mais deprimente. O prédio está inabitável. O curso, que já foi o melhor do Brasil, pode ser extinto no fim do ano. 

Não bastasse a gravidade da situação, Caiado anunciou que vai mandar para rua em dezembro todos os professores temporários da universidades. “Alguns deles lecionam até nove matérias. Os poucos substitutos efetivos não podem dar tantas aulas porque o contrato deles proíbe. Ou seja: parte considerável do conteúdo do curso deixará de ser ensinado por falta de professores, mesmo porque o governo não abriu novo processo seletivo”, conta um aluno. 

A cereja do bolo foi o pombo morto que encontraram dentro da caixa d’água do Centro de Excelência, que esqueceram aberta. Ninguém pode beber água durante a aula desde segunda-feira.