Vigilantes da UEG em desespero: já são dois meses sem receber e não há previsão de pagamento

Vigilantes e mais vigilantes da empresa Garra Forte, que presta serviços da segurança para os campi da Universidade Estadual de Goiás (UEG) pedem socorro ao Goiás 24 Horas porque não sabem mais a quem recorrer: eles completam nesta semana dois meses inteiros sem receber um centavo sequer. Situação parecida aconteceu no começo do ano. O blog informou, na época, que tinha até vigilante dizendo a colegas que pensava em suicídio.