EXCLUSIVO: circular do governo confirma que Caiado extinguirá cursos da UEG que, na visão dele, não sejam “viáveis”

A mando do governador Ronaldo Caiado, o pró-reitor da Universidade Estadual de Goiás (UEG) Valter Gomes Campos emitiu circular para todos os campi da UEG solicitando que enviem “proposta consistente e justificável de modulação de docentes efetivos para o 1° e 2° semestres de 2020, por curso, que demonstre a viabilidade da abertura de processo seletivo 2020/1”. O recado é claríssimo: Caiado extinguirá todos os os cursos que julgar “inviáveis”. É o desmonte da universidade em seu estágio mais avançado até aqui. 

A reitoria levantou os seguintes pontos com os campi:

1) O curso tem condições de atender com o quadro efetivo que possui, além dos alunos já matriculados, uma nova turma ingressante em 2020/1? Se tem, apresentar minuta do horário?

2) Quais as possibilidades de uma disciplina ser ministrada pelo mesmo professor para mais de um curso?

3) O Curso tem condições de atender pelo menos os alunos já matriculados (sem nova turma)? Se tem, apresentar minuta de horário.

4) Se o curso não tem condições de atender nem os alunos matriculados com o quadro efetivo que possui, relacionar quantos seriam os temporários necessários (pensando no mínimo 12 aulas para cada) para: a) atendimento somente aos alunos já matriculados; b) atendimento a regularidade do curso com a entrada de mais uma turma.

5) Quais disciplinas poderiam ser ofertadas em EaD?

6) Que estratégias poderiam ser utilizadas para garantir a permanência dos cursos com o quadro efetivo que temos no Câmpus?  

7) Que outras formas de iniciativa teriam perspectivas concretas de avanço no enfrentamento a essas questões considerando o cenário político atual?

O governo dispara esta circular na mesma semana em que a CCJ da Assembleia Legislativa aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz de 27 para 25% o percentual investido pelo governo do Estado na soma da Educação básica e da UEG. O estrangulamento vai aumentar.