Para Otavinho, dizer que há exagero em empresários que faturam R$ 47 bi e pagam só R$ 320 mi em impostos é “argumento malicioso”

O presidente da Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás (Adial), Otavinho Lage, chama de “argumento malicioso” a afirmação de que os empresários enriqueceram-se além da conta com os generosos incentivos fiscais concedidos pelo governo nos últimos 20 anos. 

A Adial não comenta, por exemplo, o fenômeno de o setor sucroalcooleiro ter recebido R$ 3,7 bilhões em incentivos nos últimos cinco anos, faturado R$ 47 bilhões e pagado só R$ 320 milhões em impostos. 

Otavinho representa um grupo de ricos empresários que não quer perder a mamata dos últimos anos e que, agora, partiu para o ataque contra os poderes Executivo e Legislativo. 

Para o presidente da Adial, se for para diminuir os benefícios, não valerá a pena para as empresas vir para Goiás.