Em 2ª e tumultuada votação, Devilla é derrotado e professores temporários terão direito a voto na eleição de reitor da UEG

Depois de causar tumulto e suscitar dúvidas quanto a quórum, o reitor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Ivano Devilla, sofreu um revés na sua campanha à reeleição. Ivano queria impedir os professores temporários, a quem ele persegue, de participar da eleição do próximo reitor e botou a proposta em votação na reunião do Conselho Universitário, que acontece nesta sexta em Anápolis. Devilla mobilizou quem estava ao seu alcance e até encomendou um parecer à Procuradoria Geral do Estado para dar suporte à sua manobra mas, mesmo assim, foi derrotado por 31 votos a 30.