Tratamento desigual de Caiado entre as polícias Civil e Militar abre crise na Segurança Pública e desagrada Eduardo do Prado e Humberto Teófilo

O tratamento desigual que o governador Ronaldo Caiado (DEM) vem dando à Polícia Militar em detrimento da Polícia Civil abriu uma crise de graves proporções.

Para atrair o deputado oposicionista  Coronel Adailton e calar o sempre revoltado deputado Major Araújo, Caiado atendeu um requerimento dos dos parlamentares e aumentou em 30% o número de promovidos na Polícia Militar.

O vídeo gravado pelo comandante-geral da PM, coronel Renato Brum, ao lado da dupla da deputados, em que destaca que o aumento no quantitativo de promoções decorreu de reconhecimento de Caiado a quem realmente faria a diferença na Segurança Pública em Goiás, gerou muito desconforto e revolta na Polícia Civil.

Caiado quer agradar os dois deputados para tê-los na base de apoio na Assembleia, mas pode perder apoio de outros dois: os deputados Delegado Eduardo Prado e Humberto Teófilo, que estão sendo tratados com desdém pelo governador.

Representantes da Polícia Civil, apresentaram requerimento para nomeação dos delegados de polícia concursado, mas Caiado afirma não ter recurso financeiro. Já para nomeação de 100 oficiais da PM e aumento da promoção de praças da PM, o dinheiro está disponível.

Segundo informações levantadas pelo G24H, o Sindicato dos Delegados de Polícia de Goiás prepara uma convocação de todos delegados e uma paralisação pode ocorrer, com apoio de agentes e escrivães.

A paralisação não ocorreu ainda porque o deputado Delegado Eduardo Prado teria ligado para o presidente do SINDEPOL e pedido um crédito de confiança para tratar o assunto com o Governo.