Lêda Borges critica projeto que permite ao Governo estadual vender ações da Saneago

Primeira a discursar no Pequeno Expediente da sessão plenária desta quarta-feira, 16, a deputada Lêda Borges (PSDB) subiu à tribuna para criticar diversos pontos do projeto de lei que permite a venda de ações da companhia de saneamento de Goiás (Saneago). “Mais uma vez, a Governadoria manda um projeto que causará indisposição aqui nesta Casa. Nós fizemos um acordo com o relator da matéria, para que só colocasse ela para tramitação após discussão e audiências públicas”, disse.

Ela lamentou a reunião da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), realizada na tarde de terça-feira, 15, e que foi transformada em uma audiência pública para que o presidente da companhia, Ricardo Soavinsk, explicasse o teor do projeto. Segundo a deputada, não houve tempo necessário para a discussão da matéria e a população também não foi ouvida. “O povo já não é ouvido sobre o maior patrimônio dos goianos hoje, porque a UEG eles já acabaram e tem uma audiência pública em que os deputados só tem dois minutos para questionar o presidente da empresa”, apontou.

Lêda apontou que a quantidade de ações que a lei permite ser vendida para o mercado é um dos pontos mais delicados da proposta. Além disso, ela criticou que a medida dá ao Governo do estado, detentor da maioria das ações da empresa, total poder para utilização dos valores arrecadados com a venda das ações.