Compra de kits de teste do coronavírus de empresa que funciona em barracão levanta suspeita e leva Caiado a cancelar aquisição

A secretaria estadual da Saúde (Ses) cancelou a compra de 30 mil kits de teste do coronavírus, mas não explicou a razão da desistência da compra, o que levantou suspeitas devido ao processo da aquisição, feita mediante dispensa de licitação.

 

O valor total da compra agora cancelada foi no valor exorbitante de R$ 38,7 milhões, feita de uma empresa sem qualquer estrutura, a Mawed Comercial, pois se trata de uma sociedade limitada ME – portanto, uma micro empresa sem qualquer expertise no assunto .
A sede da Mawed fica em um barracão no Jardim Itaipu, na periferia de Goiânia,  o que levanta dúvidas em relação a idoneidade e legalidade dessa transação milionária.
O valor unitário da aquisição foi de R$129,00 reais e está muito acima do praticado no mercado.
Houve uma denúncia de um outro fornecedor que se sentiu lesado afirmando que havia superfaturamento no negócio, um vez que ele ofereceu o mesmo produto por R$ 124,90.
Na aquisição havia, no mínimo, um sobrepreço de R$ 1, 23 milhão.
Quando questionada sobre a compra pela imprensa, a secretaria de Saúde correu para cancelar a compra.


Especula-se nos bastidores que, depois das irregularidades constatadas no Detran, Goiás Parcerias, Codego, a SES passou a alvo  sw suspeita de fraudes em licitações.

Os contratos emergenciais na Goinfra e das OSs na Saúde também devem dar dor de cabeça ao governo Caiado.
A Ses, como de praxe, não quis se manifestar oficialmente sobre as razões que a levaram a fazer uma compra de R$ 38.700.000,00 de uma micro empresa com preços superfaturados e sem licitação – e depois cancela a compra sem dar explicações.