Crise corona destrói imagem “pulso firme” de Caiado e deixa governador perdido

O governador Ronaldo Caiado sempre carregou e alimentou a fama de “pulso firme”. O homem que fala alto, é destemido e enfrentar qualquer parada. Nos anos de parlamentar, Caiado costumava até dar showzinho chamando colegas para briga no plenário. Esse homem de pulso firme ficou no passado. Na crise do coronavírus, Caiado vem se mostrando um líder perdido, que não dialoga com a sociedade e diante de uma crise grave, agora resolveu lavar as mãos e jogar tudo nas costas dos pobres prefeitos.

A falta de rumo de Caiado é notória. Primeiro, disse que em Goiás estava tão tranquilo que poderia receber pacientes com covid-19 até de outros estados, o que chega a ser um absurdo em termos médicos e de logística (como pegar alguém contaminado em Mato Grosso, por exemplo, e trazer para Goiânia? Como seria essa operação? Quais os cuidados com os envolvidos?).

Depois, Caiado queria fechar tudo, sem debater um minuto com entidades, sociedade, lideranças, médicos e comunidade científica. Sem apoio e refém de suas lives intermináveis, Caiado recuou. Não emitiu nenhum novo decreto e deixou tudo como antes.

Na sexta-feira, outra guinada estranha de Caiado. O governador juntou um punhado de gente e foi visitar um hospital em Luziânia, onde há foco da doença e um vereador estava contaminado. Resultado: o jornalista que acompanhava Caiado, Tony Carlo, foi contaminado com coronavírus e agora cumpre quarentena. Caiado fez o exame, deu negativo, mas também deve passar uma semana confinado no Palácio das Esmeraldas.