Ministério Público diz que sino comprado para nova Basílica custou R$ 17 milhões

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) mostrou na quinta-feira (10) que o maior sino suspenso do mundo, previsto para ser instalado na nova Basílica de Trindade, custou R$ 17 milhões. O valor é quase o triplo do que foi divulgado pela Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) – R$ 6 milhões – à época da aquisição, em 2014.

“O Ministério Público está correto nas informações prestadas. A Afipe, já na tarde hoje comprovou que a compra dos sinos aconteceu e o valor é de R$ 17 milhões. Foi apurado também que o valor é referente a compra de 73 sinos, sendo um conjunto de 68 em carrilhão, um conjunto de 4 sinos tipo badalos em quarteto ideal e um sino de badalo vox dei. A nova diretoria que tomou posse na ultima quinta-feira, continua trabalhando na apuração de todos os fatos”, disse a Afipe em nota ao G1 Goiás.

A descoberta do valor real do sino foi feita pelos promotores de Justiça durante análise de parte do material apreendido pela Operação Vendilhões, deflagrada no último dia 21 de agosto.

De acordo com o promotor Sandro Haldfeld, o contrato de compra do sino consta nos documentos em poder do MP, usados como evidências. Dispositivos eletrônicos e com função de armazenamento, como pen drives e HDs, ainda estão sob a tutela da Polícia Técnico-Científica para verificação.

“Já foi pago tudo [o valor do sino], os R$ 17 milhões. Foram 4 milhões de dólares na cotação de agosto de 2014 e R$ 7 milhões. Apreendemos o contrato de aquisição, R$ 6 milhões era só uma parcela”, disse Haldfeld.