Deputados condenam ataques de Vanderlan à saúde de Maguito

Parlamentares de diversos partidos repudiaram nesta terça-feira (17), durante sessão da Assembleia Legislativa, os ataques do senador Vanderlan Cardoso (PSD) ao candidato a prefeito de Goiânia pelo MDB, Maguito Vilela, que se recupera da covid-19.
Vanderlan acusou, sem provas, a campanha do MDB de “estelionato eleitoral”, criticou pessoalmente o presidente estadual regional do partido, Daniel Vilela, e ainda sugeriu que a condição médica do candidato era diversa do que tem sido informado pelo Hospital Albert Einstein. “Até quando vão levar essa farsa com relação à saúde dele?”, questionou Vanderlan.
Lucas Calil (PSD) disse torcer pela plena recuperação de Maguito Vilela e repudiou com veemência a declaração do senador, que é do seu partido. Calil destacou que esta foi sua primeira manifestação pública contra o senador e disse que jamais deixaria que passasse batido tamanha a insensibilidade do senador. “Essa declaração fala muito, não só sobre o tom da campanha do senador, como da pessoa que demonstrou uma grande insensibilidade. Esse assunto jamais devia ser motivo de debate político, portanto, quero repudiar de forma veemente a atitude do senador Vanderlan Cardoso que alegou que é uma fraude. Talvez essa declaração seja uma consequência do resultado de domingo. Maguito Vilela ficou em primeiro lugar e vamos juntos pro segundo turno levando a nossa mensagem para que ele possa se recuperar o quanto antes”, afirmou.
O líder do MDB na Assembleia, Henrique Arantes, condenou o ataque de Vanderlan Cardoso a Maguito Vilela e sua família e apresentou as incoerências políticas do senador por sempre estar “ao lado do oportunismo, do lado do poder, é assim que ele trata o povo de Goiânia e o povo de Goiás”, disse. “Vanderlan Cardoso demonstrou não ter posição, ser um homem instável, um homem que foi candidato a cada eleição em um partido diferente com apoio de um grupo político diferente”, frisou. O deputado ainda lembrou que Vanderlan saiu em defesa do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado pela Polícia Federal com dinheiro na cueca e entre as nádegas.
“Ele demonstra também não ser ético, defendeu o senador Chico Rodrigues que guardou dinheiro entre as nádegas, onde o sol não brilha, defendeu e falou que não tem nada que desabone este homem. Isso prova que Vanderlan não é ético, não tem firmeza, não tem postura e é instável.”, relembrou Arantes. “Ele diz que não é idôneo um relatório do hospital mais sério do Brasil, que é o Albert Einstein, e ele não questiona a idoneidade do Chico Rodrigues, seu amigo e senador que esconde dinheiro na cueca”, comparou Henrique Arantes.
O deputado Talles Barreto (PSDB), que disputou a eleição para a Prefeitura de Goiânia no primeiro turno, qualificou o ataque de Vanderlan como uma fala “desrespeitosa e deselegante”. “Maguito está internado, [questionar isto] não seria o papel de um senador da República, ele sim que fez estelionato eleitoral porque falou em todos os pontos na campanha de dois anos atrás que ficaria os oito anos. Estelionato eleitoral é ele que está tentando fazer”, enfatizou. “Temos convicção que Maguito tem muita coisa a proporcionar por Goiânia”, acrescentou Talles. O deputado Allyson Lima (Solidaridade) afirmou que vai se manter neutro no segundo turno e que deseja melhoras para Maguito Vilela. “Sinto muito que o candidato continue no estado que está, desejo melhoras a Maguito Vilela”, afirmou.
Jefferson Rodrigues (Republicanos) elencou os cargos já ocupados por Maguito e disse que a forma dele administrar foi bem avaliada pelos eleitores. “Em 8 anos ele aumentou de 6 mil para 38 mil o número de CNPJs registrados em Aparecida e trouxe mais de R$ 1,5 bilhão de investimento federal para o município, asfaltou 115 bairros, deu início à construção do hospital municipal, fez três UPAs, 30 UBSs e 40 Cmeis”, concluiu.
Humberto Aidar (MDB) falou de um áudio falso espalhado no domingo à noite em grupos de conversas no WhatsApp em que dizia falsamente que Maguito havia morrido. “Isso não pode ter partido de um homem temente a Deus como o senador Vanderlan. Deve ter sido um desses inteligentes que lidam com a política”, mencionou. “Tem que travar um bom debate, agora, candidato que está torcendo para a piora de um irmão dói o coração só de imaginar que a política produz esse tipo de debate. Nós sabemos da condição de saúde de Maguito, estamos torcendo e acreditando na ciência, está nas mãos dos médicos mais competentes do Brasil”, enfatizou.
Resposta – Além de parlamentares, o prefeito reeleito com 95% dos votos em Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha também se manifestou por meio de um vídeo publicado nas redes sociais em que aponta que a campanha de Vanderlan Cardoso está explorando “eleitoralmente o estado de saúde do Maguito tentando confundir a população”. Gustavo garantiu que a campanha da coligação Pra Goiânia Seguir em Frente vai continuar a tratar o assunto com “seriedade e a mais absoluta transparência”, por meio dos boletins emitidos pelo Hospital Albert Eintein e ainda promover “uma campanha limpa para melhorar, de fato, a vida de nossa gente”, afirmou.
Em nota divulgada mais cedo à imprensa, o presidente estadual do MDB afirmou que “causou perplexidade e indignação as declarações do candidato Vanderlan Cardoso, que fez graves ilações sobre o estado de saúde de Maguito Vilela sem nenhum fundamento, e ainda atacou toda família de forma covarde e desumana.” A nota destaca também que os boletins médicos são repassados pela assessoria do hospital e que a imprensa goiana tem acesso irrestrito a todas essas afirmações.
Segundo o partido, “tentar reverter o resultado eleitoral com disseminação de mentiras sobre a saúde de um ser humano e sobre os princípios e valores de seus familiares, num momento tão delicado como passamos, é algo que não esperávamos de alguém que se diz cristão”. “Maguito vai vencer duas batalhas: contra a COVID-19 e contra as mentiras e jogo baixo do adversário na campanha. Cremos em Deus que logo ele estará conosco, saudável, e que esta triste página da política goiana será virada”, conclui a nota emitida pelo presidente do MDB.