Gomide aposta em apoios de sindicatos na reta final em Anápolis

A poucos dias das votações para a definição do novo prefeito de Anápolis, único município goiano onde haverá segundo turno além da capital, Goiânia, o candidato do Partido dos Trabalhadores, Antônio Gomide, intensifica os compromissos de campanha com o foco na virada final. A comparação entre gestões está rendendo uma corrente de apoios ao candidato petista, o prefeito mais bem avaliado na “Manchester goiana”, assim chamada pela pujança industrial.

São justamente os trabalhadores, da indústria e de outros setores, os principais interessados em reconduzir Gomide ao cargo, contra a pressão do bolsonarismo que sustenta o adversário – o atual prefeito, Roberto Naves (PP). Ainda na primeira semana do segundo turno, líderes de diversos sindicatos oficializaram apoio conjunto à campanha de Gomide.

Sindicato dos Funcionários e Servidores Públicos Municipais de Anápolis (SindiAnápolis), Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (Sinpma) e Sindicado dos Professores em Estabelecimentos Privados de Ensino de Anápolis e Região (Sinpror) foram algumas das entidades presentes ao encontro com o petista.

Os sindicalistas alegam que a atual gestão deixou muito a desejar com os servidores públicos, ao contrário das administrações petistas, que antecederam Naves. Ao agradecer o apoio, Gomide disse saber como é ser servidor público. Também qualificou como ruim o relacionamento que o município tem atualmente com professores.

“O atual governo municipal nunca nem conversou com os sindicatos. Os sindicatos, que são a representação legítima, escolhidos por eleição, não têm nem voz neste governo”, disse Gomide.

“Eles vão tentar levar isso como retórica, mas a verdade é que eles tiveram dificuldade, nestes quatro anos, em dialogar com a categoria. Prova disso é que, pelos últimos dois anos, não tivemos nenhuma espécie de reajuste ou sequer respeito ao piso salarial dos professores”, ponderou.