Consultor político pergunta: “O povo goiano reconhece Friboi como líder político?”

Veja artigo do consultor político Marcos Marinho sobre Júnior Friboi:

Moço, esse candidato é Friboi?

Entre as noticias do meio político, veiculadas pela mídia e redes sociais, frequentemente está o nome José Batista Júnior. Figurando como um dos declarados pré-candidatos ao Palácio das Esmeraldas, em 2014, Júnior do Friboi é o único que ainda não possui validação nas urnas de sua imagem política. Fato este que o transforma em uma incógnita política.

Independente dos milhões investidos em diversas campanhas por todo estado de Goiás, em apoio a vários políticos em pleitos anteriores, seu nome ainda não passou por este crivo, não foi aprovado ou rejeitado pelo voto popular, não lhe permitindo contar apenas com transferências de votos de seus apoiados eleitos.

Sendo JB Friboi um dos mais ávidos pré-candidatos ao governo goiano, seu comportamento vira-e-mexe é notícia nos meios de comunicação. Sobre este comportamento vemos e ouvimos, quase em uníssono, dizeres explicitando suas tentativas de conquistar apoio da maioria do PMDB, bem como uma declaração de desistência de Iris Rezende e, enfim, sua benção.

Mesmo concordando que sua candidatura não se sustenta sem o engajamento do líder maior do partido, Iris, acredito que manter tanta energia apenas canalizada na obtenção de declarações partidárias de apoio pode não ser o suficiente para a conquista do objetivo PMDBista, que é assentar um dos seus na cadeira mais importante do estado.

Uma pergunta que se faz necessária é: o povo goiano reconhece Júnior Friboi como líder político? Mesmo com muito trabalho para criar uma imagem de homem público engajado nas questões políticas, a distância entre o Júnior político e o Júnior empresário, na mente do goiano, é grande. Observando tanto esforço no âmbito partidário, questiono se seus estrategistas também estão distribuindo ações a fim de contemplar uma aproximação com o eleitor.

Enfrentando resistências dentro do partido que escolheu para viabilizar sua candidatura, Júnior se esquece de que sem densidade eleitoral não há vitória nas urnas, mesmo com toda trindade do partido rezando sua cartilha. Sem ter participado de eleições anteriores, o único caminho para o empresário-político é buscar aproximação com povo e conquistar-lhe o coração. Se o povo não enxergar em Júnior Friboi o líder que o guiará para longe dos problemas de segurança, saúde, educação e infraestrutura que o consome, não serão pelo mugir de seu berrante ou pela transferência de apoio de outros políticos que sua vitória será construída.

É fundamental que o pré-candidato José Batista Júnior reduza os comportamentos e atitudes de empresário, abandonando a imposição – mais aceitável no ambiente corporativo – passando a compreender a velocidade e articulação próprias do ambiente político.

É hora de fazer surgir a imagem do político Júnior Friboi, aproximando-a do povo que anseia por um novo líder, a fim de ter seu nome aclamado acima de qualquer estratagema partidário, pois nenhum partido ou político pode ignorar o clamor popular a caminho das urnas.

Marcos Marinho

Professor e consultor político