Em 1997, Marconi articulou a união da oposição em torno de… ideias. Um ano depois, ganhou a eleição para governador

Em 1997, tal como acontece agora, em 2013, a oposição – ao PMDB, na época – fervilhava na expectativa das eleições para governador que ocorreriam no ano seguinte, 1998.

Pelo menos quatro grandes partidos oposicionistas goianos já começavam a falar em nomes – PSDB, PP, PTB e PFL (hoje, DEM). Em abril de 1997, o então deputado federal Marconi Perillo teve o seu nome cogitado pela primeira vez como pré-candidato a governador.

Ele reagiu. Disse que o debate em torno de nomes era estéril e que, caso se unisse, a oposição poderia vencer até mesmo o todopoderoso e imbatível Iris Rezende ou então a candidatura à reeleição do governador Maguito Vilela. Marconi propôs então a união da oposição goiana “não em torno de pessoas, mas de propostas e projetos para Goiás”, conforme suas palavras textuais publicadas pelo jornal O Popular. na edição do dia 15 de abril de 1997.

Esse fato foi lembrado pela repórter Fabiana Pulcineli, em artigo, há seis meses atrás. Fabiana relata que, após propor a união da oposição com base em ideias, Marconi e seu grupo partiram para a elaboração de um planejamento de Governo, intitulado Goiás Século 21, “batendo na tecla da ousadia, da modernidade, do crescimento econômico do Estado, de novas práticas políticas, do novo”. Em seguida, foram discutir esse plano com a sociedade, sob a liderança de Marconi.

O resultado é que a oposição venceu as eleições de 1998, mesmo enfrentando o mais forte dos candidatos peemedebistas, o próprio Iris.

Hoje, os sinais se inverteram. Marconi e os partidos que o apoiaram são situação e o PMDB, escorado pelo PT, é que está na oposição. Surgiu ainda uma “terceira via”, conduzida por Vanderlan Cardoso. Mas são só nomes e siglas. Não há propostas, plano de Governo, ideias para Goiás. Nenhuma, até o presente momento.

O PMDB, o PT e Vanderlan sonham reproduzir a vitória de Marconi em 1998 e derrotar um grupo que está no poder há 16 anos, exatamente o mesmo tempo que os peemedebistas tinham na época. Só que sem ideias, sem propostas, sem um plano alternativo de Governo e sem discussão com a sociedade. Sem seguir o exemplo de Marconi.

Só batendo boca. Só falando em nomes. Só atacando. Só criticando.

Será que vai dar certo?