Médicos do movimento “Unidos pelo SUS” fazem alerta sobre crise na saúde de Goiânia: “Se o prefeito não tomar uma atitude, muita gente vai morrer”

Em um movimento denominado “Unidos pelo SUS”, médicos vinculados à Saúde municipal estiveram na sessão da Câmara de Goiânia nesta terça-feira (28) para mostrar aos vereadores a situação em que vivem os profissionais e exigir providências por parte da gestão de Iris Rezende (PMDB) e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Veja a matéria do Jornal Opção.

Segundo o médico Carlos Duarte Bahia, a categoria se mobiliza contra o novo contrato apresentado pela administração municipal para os médicos credenciados que tiveram os contratos rescindidos no último dia 23 de março via edital publicado no Diário Oficial do Município. Ao todo, foram “demitidos” 480 profissionais que prestavam serviço na capital.

Também usou tempo de tribuna o médico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Fernando Bernardes. Durante discurso, ele lembrou aos vereadores que as reivindicações dos médicos vão além dos contratos dos médicos credenciados.

“Se o prefeito não tomar uma atitude, a coisa vai piorar. As condições de trabalho são precárias para todos os atendentes da saúde municipal. Enfermeiros, técnicos em enfermagem, motoristas do Samu… Todos não têm condições de trabalho. Se uma providência não for tomada muita gente vai morrer. Não estou fazendo uma ameaça, é uma previsão, um alerta. Precisamos socorrer a saúde”, disse o médico.