Euler Belém diz que Fabiana Pulcineli “deveria ser mais jornalista e menos militante política, do tipo que chega a dar aula para a oposição sobre como agir na Assembleia”

Não é segredo que a repórter política Fabiana Pulcineli, de O Popular e da rádio CBN, tem ojeriza pelo governador Marconi Perillo.

Esse é um fato, como se diz, público e notório.

Mas às vezes ela se excede na manifestação das suas preferências pessoais, o que interfere com a qualidade do seu trabalho profissional. Que o diga o editor-chefe do Jornal Opção, Euler Belém, cuja erudição e vasto conhecimento sobre o jornalismo o credenciaram como uma espécie de respeitado ombudsman da imprensa goiana. Em nota assinada na página online do semanário, Euler Belém analisa um comentário de Fabiana Pulcineli na rádio CBN, em que ela “tentar ensinar aos políticos da oposição como se deve fazer oposição e agir na Assembleia Legislativa”.

A moça “é uma jornalista de primeira linha — crítica, atenta e, como repórter, quase sempre precisa”, avalia o editor-chefe do Jornal Opção. “Mas”, continua, “às vezes comporta-se mais como ideóloga e militante política (quase partidária). Se fraqueja na crítica à gestão caótica do prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB) — o Daniel Antônio da terceira idade —, é frequentemente agressiva nas críticas à gestão do governador de Goiás, Marconi Perillo. Se mantivesse o equilíbrio, tudo bem, pois estaria sendo independente”, afirma.

E arremata: “Num comentário da CBN, Fabiana Pulcineli chegou a dar aula para a oposição sobre como deveria agir na Assembleia. Não é função de repórter e analista ensinar comportamento para políticos”. Aliás, diz Euler Belém, “eles morrem de rir” de tamanha ingenuidade.