Delatores da Odebrecht dizem que, na lista de beneficiados pelas propinas da empreiteira, Maguito era registrado sob codinome de “Padre”

O ex-senador, ex-governador e ex-prefeito de Aparecida Maguito Vilela era registrado na lista de beneficiados pelas propinas da Odebrecht sob o codinome de “Padre”.

A revelação está no texto em que a delação premiada dos ex-executivos da Odebrecht Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis e Alexandre José Lopes Barradas está transcrita, contando detalhes dos repasses de R$ 500 mil, em 2012, ao então prefeito de Aparecida, Maguito Vilela, em campanha pela reeleição, e de R$ 1 milhão a seu filho, Daniel Vilela, que ganhou um mandato de deputado federal em 2014.

Segundo os dois delatores, em troca do dinheiro “Padre”, que estava no comando da prefeitura de Aparecida, prometeu retribuições – ou seja, contratos para a Odebrecht, primeiro, e a manutenção desses contratos, depois.

Esse detalhe caracteriza o repasse da empreiteira para os dois Vilelas como propina, embora “Padre” tenha alegado, como pretexto, segundo disseram os delatores, a desculpa de que os recursos seriam destinados a cobrir gastos de campanha. Os valores não foram registrados nas prestações de contas à Justiça Eleitoral de Maguito e Daniel.