Depois do Ministério do Trabalho, agora é o Ministério Público quem pede a interdição do Mutirama

A promotora Leila Maria de Oliveira pediu interdição judicial do Parque Mutirama, que está fechado desde a tragédia que deixou 11 feridos em função de pane no brinquedo Twister. Leila Maria pede que os brinquedos fiquem inacessíveis ao público até que sejam devidamente periciados por profissionais técnicos capacitados e que seja atualizada a manutenção.

“É de conhecimento público e notório que os brinquedos que integram o Parque Mutirama são velhos, o que exige um maior cuidado com vistorias e manutenção para garantir segurança aos frequentadores do local. Assim, diante de qualquer sinal de defeito, por mais ínfimo que seja, é responsabilidade do Município de Goiânia, pela Agetul, realizar vistorias técnicas eficazes, com uso de aparelhos pelos quais se possa efetivamente atestar a segurança do brinquedo”, defende a promotora.

Ela ressalta ainda que há anos o parque não recebe o Certificado de Conformidade pelo Corpo de Bombeiros Militar por falhas na segurança.

O parque também foi interditado pelo Ministério do Trabalho, depois de uma perícia de auditores constatar que não há segurança para os funcionários que trabalhavam no local.