Crise, ITA Park e publicidade: Dário explica porque receita do Mutirama cresceu cinco vezes após sua saída

Denunciado pelo Ministério Público por suspeita de participar da organização criminosa que teria desviado mais de R$ 70 milhões do Mutirama, o ex-presidente da Agência de Turismo e Lazer (Agetul) Dário Paiva apresentou cinco razões que, segundo ele, justificam o fato de o Parque ter arrecadado cinco vezes mais depois da sua saída da Agetul. São elas:

CRISE ECONÔMICA
Dário alega que, em 2016, época em que ele era presidente da Agetul, a crise econômica estava no auge. Este seria um dos principais motivos que justificariam o fato de o parque ter arrecadado apenas R$ 8,1 mil com bilheteria em julho daquele ano enquanto que, em 2017, a arrecadação foi de R$ 43,4 mil. (Nota do blog: quer dizer então que a crise acabou?)

CONCORRENTE
Outro fator que, segundo Dário, justifica a baixa arrecadação do Mutirama na gestão dele é que, em julho de 2016, no pátio em frente ao Shopping Flamboyant, havia um parque de diversões que, na opinião do ex-presidente da Agetul, atraiu muitos clientes em potencial do Mutirama.

PUBLICIDADE
Dário afirma que atualmente, diferente do que aconteceu na época em que ele foi presidente da Agetul, a administração municipal investiu em publicidade para atrair público ao parque Mutirama. Com publicidade, argumenta Dário, a frequência aumentou, em comparação à época dele.

TELEFÉRICO
Dário Paiva diz que, em julho de 2016, na época em que ele era o presidente da Agetul, o teleférico do Parque Mutirama estava quebrado. E que o fato de ele estar funcionando agora serve para atrair mais público ao local.

FIM DE GESTÃO
Segundo Dário, o Mutirama foi prejudicado pela decisão do então prefeito Paulo Garcia (PT) de cortar gastos nos últimos meses de gestão. Este corte de gastos, segundo ele, obrigou a Agetul e interromper o funcionamento de brinquedos, o que afastou o público.