Caiado tem histórico de articulações mal sucedidas na política de Goiás, mas ele é brasileiro e não desiste nunca

O deputado Ronaldo Caiado (DEM) que agora pilota trabalho para viabilizar a terceira via em Goiás tem um histórico de articulações mal sucedidas na política de Goiás.

Por sinal, a única jogada que deu certo se deu com a aliança dele com o agora desafeto Marconi Perillo. A união da oposição deu a vitória ao tucano em 1998. As outras costuras de Caiado foram um fiasco.

Confira:

1989 – candidato a presidente da República, teve menos de 488.846 dos votos (0,68%), ficando em 10º lugar;

1990 – tentou articular com o PRN a candidatura de Pedro Canedo ao governo. Não deu certo;

1992 – busca Sandes Júnior no PDT para ser candidato pelo PFL. Não passa para o segundo turno;

1994 – sai candidato a governador, lidera as primeiras pesquisas e depois não vai ao segundo turno, disputado por Maguito Vilela e Lúcia Vânia. Não apoia ninguém no segundo turno;

1996 –indica Maria Valadão na vice de Nion Albernaz, que ganha a eleição. Mas, Valadão rompe com o prefeito em seguida;

1998 – aliança das oposições, da qual faz parte, vence a eleição e derrota o PMDB;

2000 – apoia junto com Pedro Abrão e Roberto Balestra a chapa de Darci Accorsi. Indica Marcelo Augusto como vice. Comanda campanha violenta. Darci, que saiu em primeiro lugar nas pesquisas, perde no segundo turno para Pedro Wilson;

2004 – lança Rachel Azeredo a prefeita. Campanha desastrosa e a então peefelista fica em quinto;

2006 – rompe com Marconi e lança Demóstenes a governador. Candidato aparece em segundo nas primeiras pesquisas, mas fica em quarto lugar;

2010 – namora o governo, o PMDB, mas não fica com ninguém;

2012 – lança Simeyzon Silveira em aliança com Vanderlan Cardoso. Fica em terceiro;

2014– ??????????