Professores protestam contra Iris na Câmara. Categoria quer piso salarial

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sintego) e outras entidades que representam os servidores públicos municipais de Goiânia realizaram nesta terça-feira, na Câmara de Vereadores de Goiânia, protesto para cobrar o atendimento a pauta da Educação.

Os trabalhadores cobram o pagamento do reajuste do Piso de 2018 para os professores, a data-base dos administrativos (atrasada desde 2017) e o pagamento do adicional de 30% para os auxiliares de atividades educativas, que estão há mais de um ano sem o pagamento da gratificação (prevista por lei).

Esta é a quinta mobilização realizada pelo Sintego este ano. No dia 6 de abril, o sindicato esteve em audiência com o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (MDB), que pediu prazo de 60 dias para apresentar uma proposta a pauta dos trabalhadores em Educação.

Findado o prazo, em nova reunião realizada no Paço Municipal no dia 21 de maio, não foi apresentada nenhuma proposta de reajuste a categoria. Participaram secretários de Educação e Cultura, Marcelo Costa; Administração Jairo da Cunha; Finanças, Alessandro Melo e de Governo, Paulo Ortegal.

A equipe de Iris condicionou o provável pagamento da data-base aos servidores administrativos e o Piso para os professores a aprovação do Projeto de Lei da Reforma da Previdência municipal, o que acabou sendo rejeitado pelos sindicatos e arquivado pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal no dia 23 de maio.