OAB (2): comunicação amadora e de baixo nível, herança maldita da OAB Forte e apoio de figuras queimadas tiram chances de vitória de Pepê Medeiros

As chances de Pedro Paulo Di Medeiros vencer a eleição para a OAB-Go no próximo dia 30 de novembro são praticamente nulas. Só um milagre pode reverter a situação desesperadora da chapa que representa o grupo da OAB Forte nesta campanha.

Contra Pepê pesam vários fatores. Os mais determinantes são, pela ordem:

1. Comunicação amadora e de baixo nível. Este trabalho está sendo feito por profissionais superados, sem domínio das modernas ferramentas de interação. Além disso, sem conseguir conteúdos de peso, apela para a baixaria, o que é veementemente rechaçado pelos advogados. A comunicação estratégica não consegue vender as qualidades do candidato e permite que nele sejam colados atributos negativos. Um desastre total. A chapa de Lúcio Flávio comemora.

2. Sem uma comunicação eficiente, a herança maldita dos longos anos de domínio da OAB Forte na entidade travam qualquer possibilidade de crescimento de Pepê.

3. Apoio de figuras queimadas na categoria, como é o caso do advogado Leon Deniz, entre outros, que quiseram mandar na entidade, mas não conseguiram.