Tensão para Caiado: entidades policiais e Fisco se unem para tomar medidas judiciais contra de dezembro

As associações e entidades que compõem o Fórum de Entidades de Segurança Pública e o Sindicato dos Auditores do Fisco de Goiás (Sindifisco) se uniram nesta quinta-feira (10) para a articulação e tomada das medidas judiciais e administrativas contra o calote anunciado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) nos salários de dezembro. Uma nova rodada de reuniões será realizada nesta sexta-feira (11), quando as entidades vão anunciar o conjunto de providências legais contra o atraso nos salários.

Pela Constituição Estadual, a folha teria de ser paga hoje, mas não há qualquer previsão por parte do governo Caiado de quando e como os salários de dezembro serão depositados. Na reunião desta quinta-feira, o Sindifisco as entidades de representação dos servidores da segurança – formadas pelas polícias, bombeiros militares e agentes penitenciários – afirmaram que já encontraram o arcabouço jurídico necessário para impedir que Caiado pague os salários de janeiro antes de quitar a folha de janeiro.

“Já sabemos que o governo estadual não pode, de forma alguma, pagar janeiro em detrimento da folha de dezembro. Com a receita já garantida para efetuar o pagamento de janeiro, ele terá de priorizar, sim, a folha de janeiro”, disse o presidente da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, o 1.º Sargento Gilberto Lima, após a reunião.

As entidades também protestam contra o adiamento, a pedido de Caiado, da votação do Orçamento do Estado para 2019 na Assembleia Legislativa. Segundo as associações e sindicatos, a transferência da apreciação para a reabertura dos trabalhos legislativos é mais uma manobra previamente articulada por Caiado e pela supersecretária de Economia, Cristiane Schmidt, para aplicar o calote na folha de dezembro.