Amadorismo, desunião, falta de projetos e nenhuma empolgação: essa é a oposição que temos, segundo Pulcineli

Fabiana Pulcineli, em poucas linhas, faz um diagnóstico devastador da oposição em Goiás na edição desta segunda-feira de O Popular.

Ela começa dizendo que a ruindade da oposição está estimulando o governador Marconi Perillo a se candidatar à reeleição.

Depois, cita um a um os problemas de partidos como o PMDB, PT, DEM e PSB:

Amadorismo.

Falta de unidade.

Fragilidade de projetos.

E dificuldade para empolgar a militância.

Corretamente, a jornalista mata a cobra e mostra o pau, explicando o porquê do seu raciocínio: “Os dois eventos de partidos oposicionistas nos últimos dez dias movimentaram a cena política, mas também reforçaram os pontos fracos das siglas e de seus pré-candidatos. Os empresários Vanderlan Cardoso (PSB) e José Batista Júnior, o Júnior do Friboi (PMDB) fizeram discursos rasos para platéias marcadas pela ausência de aliados importantes – no primeiro caso, das bases do partido, no segundo, da maior liderança peemedebista, Iris Rezende”.

E a conclusão: “Assim, enquanto o PSDB tem nome, ampla aliança (não afetada ainda pelas crises internas), máquina, estrutura, chapa forte para as eleições proporcionais e prováveis pré-resultados do governo, a oposição bate cabeça, sem preencher um espaço vazio que surgiu com os sucessivos reveses que atingiram o governador”.