Tempo real: ex-secretários da Prefeitura de Formosa, alvo de operação do MP, pedem demissão do governo Caiado. E o secretário Roller?

Goiânia – Os advogados do ex-secretário de  Obras de Formosa, Jorge Saad Neto, e do ex-secretário municipal de Finanças do da cidade, Luis Gustavo Nunes de Araújo, informaram, por meio de nota, que eles entregaram seus cargos na Secretaria de Governo “até que se esclareçam todos os fatos, certos de que a verdade prevalecerá”.

Segundo o comunicado, “assim que seus clientes forem devidamente intimados, apresentarão os esclarecimentos cabíveis, por acreditar na justiça e no Poder Judiciário”.
Os dois são alvo da Operação Gaugamela, deflagrada nesta terça-feira (12) pelo Ministério Público de Goiás.  Também são investigados o empresário André Luiz Gontijo de Souza, proprietário da empresa Multi-X, além das secretarias de Obras, Finanças, Administração, Controle Interno, Licitação e Gestão de Contratos.
As investigações apontaram esquema de desvio de dinheiro do município em benefício de agentes públicos e particulares. Esses desvios foram verificados, sobretudo, em contratos de pavimentação asfáltica, que deveriam ter sido realizados pela empresa Multi-X.
A reportagem tentou contato com o ex-prefeito de Formosa e atual secretário de Governo de Goiás, Ernesto Roller, mas não obteve resposta até o fechamento deste texto.  (Texto A Redação)
Veja abaixo a nota, na íntegra, encaminhada pela Assessoria Jurídica de Jorge Saad Neto e Luis Gustavo Nunes de Araújo:
“Em virtude da ação do Ministério Público de Formosa, na manhã desta terça-feira, 12 de fevereiro, é preciso esclarecer que:
Até o momento, tanto Jorge Saad Neto, Luis Gustavo Nunes, quanto seus advogados, não foram intimados de qualquer decisão judicial, não podendo desta forma, emitir qualquer comentário a respeito de seu conteúdo. Souberam da ação pela imprensa.
2 – Esclarecem que, assim que forem devidamente intimados, apresentarão os esclarecimentos cabíveis, por acreditar na justiça e no Poder Judiciário.
3 – Entendem que como servidores públicos estão sujeitos ao controle e reconhecem que as ações de tal natureza fazem parte da obrigação funcional dos membros do Ministério Público, sendo que toda pessoa pública que exerce funções ou cargos junto à administração Pública tem o dever de prestar contas de seus atos.
4 – E por fim, entregaram seus cargos na Secretaria de Governo até que se esclareçam todos os fatos, certos de que a verdade prevalecerá”.
Assessoria Jurídica de Jorge Saad Neto e Luis Gustavo Nunes de Araújo.