Baile funk no palácio: Caiado tem muitas perguntas a responder sobre moralidade e legalidade da festa

A nota emitida pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) para tentar justificar, quase 24 horas depois, o baile funk que ele fez para as filhas no Palácio das Esmeraldas, chama muito mais atenção pela ausência de muitas explicações relevantes para o episódio:

1 – Caiado consultou a Secretaria Militar e a governança da residência oficial sobre a conveniência de se fazer a festa?
2 – Ainda que a comida e a bebida tenham sido transportadas de sua residência particular para a oficial, elas foram preparadas e servidas na estrutura do Palácio das Esmeraldas?
3 – Como foi recrutada a equipe de cozinheiros e garçons para servir a família do governador e seus convidados? Receberam horas extras? A conta será paga pelos cofres públicos?
4 – Quantas pessoas participaram do baile funk e de onde vieram?
5 – Os convidados se hospederam no Esmeraldas?
6 – Quanto foi gasto, afinal, com a festa?
7- O tipo de música tocada é adequada ao Palácio
8- Por que as luzes estavam apagadas?
9- É moral e ético fazer uma festa desse tipo no Palácio?