Imprensa diária valida e avaliza greves e manifestações sem participação real das categorias envolvidas

A “paralisação” de 48 horas dos médicos do Estado, decretada pelo Sindicato dos Médicos de Goiás – Simego, com base em uma “assembleia” em que apenas 20 pessoas votaram, para uma categoria de 170 profissionais, evidencia a distorção com que a imprensa diária trata – a favor – os movimentos que falsificam adesão dos próprios envolvidos.

A greve e as manifestações nas rodovias, promovidas por baderneiros que dizem agir em nome da maioria dos professores e estudantes da Universidade Estadual de Goiás, também têm sido tratadas pelo mesmo viés condescendente por veículos como O Popular, Diário da Manhã e O Hoje.

Os bloqueios de rodovias – ato criminoso, que prejudica a vida de milhares de pessoas – foram efetivados por grupos de 15 pessoas, no máximo, conforme documentado em fotos, enquanto a UEG tem 210 professores e 19 mil alunos. Supostamente universitários , que em vez de debater ideias queimam pneus como radicais do Oriente Médio.

A falta de representatividade desses movimentos é um fato real e merece avaliação jornalística. O jornal Folha de S. Paulo, por exemplo, em matéria publicada no último dia 23 sobre a “greve” dos professores da rede municipal de São Paulo, fala sobre uma manifestação realizada pelos “grevistas” no centro da capital paulista.

Olha o texto:

 “Segundo a Polícia Militar, a manifestação dos professores reuniu cerca de 800 pessoas. Já a categoria falou em 8 mil pessoas. A rede municipal possui 68 mil professores atualmente”.

Isso, sim, é informação – e a Folha não perdoa e cumpre o seu dever de fazer um jornalismo ético, noticiando a manifestação, mas reduzindo a sua dimensão à verdade dos fatos e nada mais.

 

Leia mais:

Greve na UEG é mais uma jogada política do PT e PMDB. Governador já autorizou atendimento das reivindicações

Olha ele aí: Leonardo Reis, presidente do Simego, foi militante da Juventude do PMDB

Greve imposta por Sindicato (ligado ao PMDB e PT) não tem adesão de médicos. Movimento é político