Denúncia pelo Whatsapp: governo nega licença médica a servidora operada

Pelo Whatsapp, o Goiás 24 Horas recebeu a mensagem de uma servidora que se diz tratada com menosprezo pelo governo Caiado. A funcionária pública fez um procedimento cirúrgico e o Estado negou-se a dar-lhe a licença médica necessária ao seu reestabelecimento.

Veja a mensagem:

“Indignada com este governador. Sou servidora efetiva da rede estadual desde 2007, professoraz Trabalho honestamente, nunca tirei licença médica e nunca tive uma falta, pois sempre trabalhei com muita seriedade. Agora, recém-operada, me submeti a uma HISTERECTOMIA TOTAL ABDOMINAL, com um corte de quase 30 cm, com 9 dias após a cirurgia, morando no interior, tive que me deslocar até Goiânia para passar pela Junta Médica do Estado , para comprovar que realmente fiz o procedimento, isto com o  salário de dezembro atrasado ainda.  Uma médica da perícia, sem coração, após verificar os papéis preenchidos pelo meu médico que solicitou 90 dias de afastamento, disse que poderia ligar posteriormente para saber quantidade de dias que iria me conceder a licença médica. Liguei hoje ,19/03,  para obter informações e a atendente me relatou que eu teria somente 15 dias de licença. Absurdo isto! Exatamente 15 dias!!!!! COMO VOLTAR PARA UMA SALA DE AULA COM A BARRIGA INCHADA, DOLORIDA E FRACA AINDA? Até quem não é médico sabe que este tipo de cirurgia requer no mínimo 30 dias. Mas o governo não está nem um pouco preocupado com a saúde do servidor. Agora vou ter que agendar nova perícia, me deslocar para Goiânia novamente, para solicitar uma prorrogação, senão terei meus pontos cortados. Não tenho a mínima condição de retornar ao trabalho em 15 dias de cirurgia.”