Doria usa programa de incentivos fiscais para atrair empresas multinacionais para São Paulo; depois dos setores automotivo e de aviação, farmacêuticas migram para o estado

Depois de negociar incentivos fiscais com setores automotivos e de aviação, o governador de São Paulo, João Doria Júnior (PSDB), abriu espaço na agenda de trabalho para afinar a viola e negociar com as empresas farmacêuticas para atrai-las ao estado.

Desde que assumiu governo, Doria tem mantido contatos contatos constantes com multinacionais Novartis, Medley e MSD.

Ao contrário dos outros governadores de São Paulo, a agenda do atual gestor paulista é aberta para empresas multinacionais.

Um dos empresários que conversa frequentemente com Doria é Carlos Zarlenga, da GM, que na semana passada anunciou investimentos de R$ 10 bilhões em fábricas de veículos em São Paulo, como parte do programa de incentivos fiscais..

Também foram muitos os encontros com representantes do setor aéreo. No mês passado, Doria atendeu uma recorrente demanda negada nos governos anteriores e reduziu o ICMS do combustível dos voos domésticos.

A agenda de Doria já acumula um volume de 60 reuniões com representantes do setor privado.

O homem não para.