Site diz que Maguito decidiu “não mais concorrer a cargos públicos”. Só que não é por vontade própria: condenado por 3 desembargadores, por improbidade, ele virou “ficha suja” e está impedido de disputar eleições

“Eu já anunciei. Estou deixando a vida pública. Vou voltar às minhas atividades profissionais como advogado a partir do mês de fevereiro e, sem dúvida, não tenho pretensão nenhuma de disputar cargos públicos”.

Isso é o que disse o ex-prefeito Maguito Vilela, logo após entregar o cargo ao seu sucessor, Gustavo Mendanha, segundo nota do site de notícias Pauta Goiás.

Mas abra o olho, leitor. Fora da vida pública, pelo menos em termos de disputar eleições, Maguito está realmente. Só que não por vontade própria e sim pela impossibilidade de registrar qualquer candidatura na Justiça Eleitoral, já que está incurso na Lei da Ficha Limpa, ou seja: Maguito, hoje, é “ficha suja”.

Ocorre que, denunciado pelo Ministério Público à Justiça por 10 vezes, em todos os casos por improbidade administrativa, o ex-prefeito de Aparecida acabou sendo condenado duas vezes em um desses processos, uma na 1ª instância e outra na 2ª instância, aí por um colegiado de 3 desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás.

Essa condição – condenação na 2ª instância, com sentença por 3 juízes – é definida pela Lei da Ficha Limpa como impeditiva para qualquer um que queira disputar eleições. Em linguagem popular, Maguito passou a ser “ficha suja” e perdeu o direito a registrar uma possível candidatura a cargo eletivo.

É por esse motivo e não por uma decisão pessoal que ele está, sim, fora da política.

Em tempo: Maguito foi condenado duas vezes, no mesmo processo, a segunda por uma câmara de 3 desembargadores do Tribunal de Justiça, por ter assinado um contrato fraudulento de aluguel, que lesou a Prefeitura de Aparecida em alguns milhares de reais. A pena foi o ressarcimento do prejuízo e uma multa.