Em São Paulo, MP lidera a busca de solução para a crise do reajuste dos ônibus. Em Goiás, é só omissão

Olha a diferença: enquanto em São Paulo, como reação aos violentos protestos de rua contra o aumento da tarifa de ônibus, o Ministério Público paulista assumiu a liderança do debate em torno da questão e propôs uma suspensão do reajuste por 45 dias, enquanto se busca uma solução, em Goiás, onde também aconteceram manifestações violentas, o Ministério Público goiano até hoje não se mexeu.

A suspensão do aumento, decidida pela Justiça Estadual, seria uma típica iniciativa do MP, mas foi obtida pelo Procon, que usou o instituto da ação civil pública – outro instrumento característico da ação do Ministério Público.

A omissão do MP estadual, na crise deflagrada pelo aumento abusivo da tarifa de ônibus, é total. Além do blá-blá-blá para a imprensa, até hoje nenhuma ação concreta foi adotada pelos promotores da área de defesa do consumidor em Goiás.

É esse, talvez, o maior vexame da história do “parquet” no Estado – como o MP gosta de ser chamado, com pompa e circunstância.

 

LEIA MAIS:

Tarifa transporte coletivo: a diferença que foi paga desde o dia 22 de maio, vai ser devolvida?

Crise do transporte coletivo: Procon cumpre o seu dever e deixa Ministério Público pra trás

MP promete entrar com ação para ressarcir usuário de ônibus. Por que não entra, em vez de prometer?

Promotor diz que visitou terminal há 2 anos, voltou agora e tudo está na mesma. Ué, então não fez nada?

Procon dá show e faz papel que cabia ao MP ao conseguir liminar suspendendo o aumento da tarifa