Para justificar decisão de acabar com UEG, Caiado adota estratégia de sempre: culpar o governo passado

O governo Caiado emitiu nota para justificar a decisão de fechar pelo menos 19 dos 42 campus da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Nela, para surpresa de zero pessoas, Caiado ataca os seus antecessores. Diz que não queria estraçalhar a UEG, mas que será obrigado por causa das gestões realizadas antes dele. Confira abaixo a íntegra da nota.

NOTA OFICIAL

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) é um patrimônio dos goianos, e, como tal, é dever do Governo de Goiás defendê-la e garantir sua excelência acadêmica e institucional. Infelizmente, a história recente da UEG evidencia um cenário de total irresponsabilidade administrativa. Dois ex-reitores foram presos e um terceiro responde a processo por fraude no PRONATEC. Em seis meses, dois reitores renunciaram, e a instituição está, neste momento, sem nenhum pró-reitor nomeado. A situação financeira da UEG é muito grave, pois mesmo com seu orçamento para 2019 aumentado em cerca de 30%, não têm conseguido fazer frente às duas despesas, que, a ser mantido o atual cenário de descontrole, devem passar dos 317 milhões de reais. O Conselho Superior Universitário não respondeu aos desafios do descalabro administrativo em que a UEG foi jogada por anos de uso político e evidente malversação dos recursos públicos. Nem mesmo o vestibular de 2020 foi garantido, e decisões judiciais não estão sendo cumpridas.

Assim sendo, e com base na prerrogativa assegurada pelo estatuto da UEG, que confere ao governador do Estado de Goiás a definição de rumos para Universidade em situação de caos — como a que vivemos hoje –, está sendo nomeado reitor da UEG o Dr. Rafael Borges, procurador do Estado, pelo período necessário à restituição da instituição a uma condição de normalidade.

Ao assumir a gestão da UEG, o Governo de Goiás assegura à sociedade e à comunidade acadêmica que: nenhuma sala de aula será fechada; haverá vestibular em 2019; os alunos terão assegurado seu direito à formatura e à continuidade da vida escolar. O trabalho de reestruturação da gestão da UEG será conduzido com total transparência e a máxima responsabilidade, de modo a garantir a sua reconstrução. A UEG tem como destino a excelência e a responsabilidade com o ensino, pesquisa e extensão, e como centro formador de profissionais qualificados é fundamental ao pleno desenvolvimento de Goiás e do Brasil e ao enfrentamento das desigualdades regionais. Assim que possível, serão realizadas eleições, com a Universidade saneada e pronta para servir a Goiás na plenitude das suas capacidades.

Governo de Goiás