João de Deus tem novo habeas corpus julgado nesta terça-feira

João Teixeira de Faria, o João de Deus, terá um novo pedido de habeas corpus julgado, no Tribunal de Justiça (TJ-GO) na próxima terça-feira (1º). De acordo com defesa do médium, a expectativa para que o líder religioso cumpra prisão domiciliar é grande, devido à mudança do quadro clínico dele.

A informação é do jornalista Joao Paulo Alexandre, do site Mais Goiás.
Ao Mais Goiás, no último sábado (28), um dos advogados que compõe a defesa do médium, Marcos Maciel, contou que ele teve o início de infarto e classificou o estado de saúde do cliente como “deplorável”. Alberto Van Gualberto de Mendonça, outro defensor do médium, destaca que a situação de João de Deus já requer prisão domiciliar.
“O Sr. João é uma pessoa com uma idade avançada [77 anos] e que tem diversos problemas de saúde. O código penal fala em prisão domiciliar em caso de doença grave. É o que estamos tentando mostrar ao TJGO. Toda essa situação calamitosa” destaca.

Por meio de nota, o HMAP informou que João de Deus deu entrada na unidade com fortes dores no peito e com anemia. Na tarde desta terça-feira, ele passou pela avaliação de um cardiologista. O profissional recomentou “a transferência do paciente para unidade referência em cardiovascular (pública ou privada) onde ele poderá realizar exames mais detalhados que permitirão uma melhor avaliação da Doença Coronária e do cenário de angina instável apresentada nos últimos dias”, diz a nota.

“A gravidade dos fatos não podem subsidiar prisão preventiva, sobretudo porque ainda não temos nenhuma condenação, mesmo tendo passado quase um ano”, afirma Gua

Gualberto voltou mais uma vez a criticar o atendimento de saúde que o médium recebe dentro do Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia. “Ele não tem atendimento. O médico vai ao presídio uma vez na semana pra atender todos os pacientes. Enfermeiros só ficam de 8 às 14 horas”, afirma.lberto. O HC julgado na terça-feira é o primeiro impetrado pelos novos advogados que compõem a defesa do médium. Em julho desse ano, nove profissionais renunciaram ao caso.

Além disso, o advogado ressalta que o João de Deus não configura risco à sociedade e nem atrapalha o andamento das investigações. “João é figura pública e não impõe risco de fuga. Já entregou passaporte. Tem endereço certo e tudo mais! Somando ainda temos um quase degenerativo do estado de saúde”, ressalta.