Em liminar que livrou Wesley Batista de depor na CPI, desembargadora diz que não está claro se ele é testemunha ou investigado

Autora da decisão liminar que livrou Wesley Batista (JBS Friboi) de depor na CPI dos Incentivos Fiscais da Assembleia nesta segunda-feira, a desembargadora Sandra Regina Teodoro Reis argumenta que não está claro se a CPI deseja ouvi-lo como investigado ou testemunha. Além disso, diz que Wesley não é obrigado a depor contra um parente (já que o fundador da JBS é seu pai).