Blog da Fabiana Pulcineli: secretário de Comunicação de Caiado dá bronca e exige citação ao governador em releases

Em grupo no WhatsApp com chefes de assessorias de imprensa de órgãos do governo de Goiás, o secretário Estadual de Comunicação, Marcos Silva, deu bronca nesta sexta-feira (21) por conta da não citação ao governador Ronaldo Caiado (DEM) e ao governo em releases e divulgações nas redes sociais.
“Senhores (as), fica mais uma vez explicitado que não toleraremos tais ações e que voltando a se repetir, tomaremos as medidas cabíveis”, diz Marcos Silva, que tomou posse no início de janeiro deste ano.
Para dar exemplo das ações equivocadas, o secretário enviou uma postagem da assessoria da Agência Goiana de Defesa Agropecuária Agrodefesa (Agrodefesa) no Instagram e um release da Secretaria Estadual de Saúde (SES).
“Segue (sic) acima dois exemplos do que não se deve fazer em hipótese alguma, principalmente após ampla orientação do Governador em nossa última reunião. O primeiro caso, a SES não cita em nenhum momento o governo do estado de Goiás e nem o governador. No segundo caso e ainda mais grave, a equipe da Agrodefesa, utiliza uma gravação feita de um aparelho televisor analógico, com uma péssima qualidade e sem nenhuma orientação da Secom, e ainda comete o equívoco de não citar o governo do estado de Goiás em seu texto e deixando para citar o governador no final”, diz a mensagem do secretário.
O post da Agrodefesa mostra uma reportagem na TV sobre parceria do órgão com o Sindicato Rural de Catalão para atendimento aos produtores da região. Já o release da SES trata de parcerias da pasta com secretarias municipais na Semana de Combate ao Alcoolismo.
Em atenção ao princípio da impessoalidade, a Constituição Federal estabelece que “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.
O secretário de Comunicação disse ao blog da Fabiana Pulcineli que, por se tratar de “uma questão interna da comunicação do governo”, não iria comentar o assunto.