Cláudio Meirelles: “Em plena crise do coronavírus, Caiado queria gastar mais de meio milhão com comidas caras para a sua cozinha do palácio”

“O governador Ronaldo Caiado precisa estar, continuamente, sob vigilância cerrada, caso contrário vai jogar pelo ralo os poucos recursos arrecadados pelo Estado, notadamente neste momento de crise causada pela Covid-19.

Sem nenhuma explicação, nem mesmo superficial, ele autorizou a aquisição de produtos para a cozinha do Palácio das Esmeraldas, sua residência oficial, gastando R$ 611,4 mil em carnes diversas (bovina, suína, ovina, aves e peixes), frutos do mar, queijos e frios.

O que nos causa indignação maior é que o pregão eletrônico foi lançado pelo Diário Oficial do Estado no último dia 7 de abril, terça-feira, em plena crise de saúde vivida por Goiás em decorrência da necessidade de se tomar medidas para impedir o crescimento de casos do coronavírus no Estado.

Graças a uma oposição alerta e destemida, sempre disposta a denunciar os desmandos e os atos de pura incompetência do governador, no dia seguinte à publicação do pregão, a compra foi suspensa. Se recuou é porque concordou que estava fazendo mais uma besteira, cometendo mais um desmando. E só recuou depois que esse disparate caiu nas redes sociais suscitando muitas críticas dos goianos.

Enquanto os outros Estados estão preocupados em viabilizar compra de equipamentos de proteção para os agentes de saúde e testes para o coronavírus, o governador Caiado está pensando no abastecimento da sua cozinha com o que há de mais caro na culinária nacional.

É muita falta de noção de um político que se diz humanitário tomar medida tão mesquinha diante do sofrimento de milhares de seus conterrâneos. É um verdadeiro tapa na cara da sociedade.

É um desrespeito a milhares de famílias que estão confinadas em suas casas sem poder trabalhar, algumas literalmente em dificuldade até mesmo para alimentar os filhos. E elas estão presas em casa porque seguem o decreto do governador que estendeu o período de isolamento social, impedindo que praticamente todo tipo de comércio permaneça com as portas abertas.

Se o próprio decreto do governador determina o distanciamento entre as pessoas, o que significa recomendação de se evitar aglomeração, por que essa compra de alimentos tão cara e dispendiosa para o Palácio? Ou será que o governador está recebendo convidados para almoçar e jantar, desobedecendo a sua própria recomendação de médico para que as pessoas fiquem distantes uma das outras?

O gesto insano do governador contrasta com seu discurso de terra arrasada vivido por Goiás. Ao mesmo tempo em que ameaça sacrificar ainda mais os servidores públicos com um possível corte nos salários até a crise passar, o governador anuncia o gasto de mais de meio milhão de reais para comprar comida cara para ele, sua família, seus amigos e seus convidados.

É um absurdo sem tamanho.

Na sessão remota da Assembleia Legislativa, manifestei minha indignação com esta atitude do governador, levando ao conhecimento do Brasil o verdadeiro abuso praticado em Goiás por Caiado. É preciso que a sociedade brasileira não se deixe enganar e saiba quem Caiado é na realidade.

Em tempo, quero registrar também mais um gesto de autoritarismo do coronel Caiado, o governador mais ditador de Goiás depois que seus parentes deixaram o governo. Nesta semana, o Diário Oficial, a mando de Caiado, demitiu o humorista Delesmano Alves de Souza do serviço público.

Delesmano foi demitido porque ousou exercer a sua profissão de humorista especializado em sátiras com políticos goianos. Em todo este tempo, jamais teve problema de relacionamento com os personagens que imita. Caiado, graças a sua limitada inteligência, com certeza levou para o lado pessoal as brincadeiras de Delesmano.

O ditador de Goiás jamais aceita ser questionado e só gosta de ser elogiado, ainda que não tenha feito nada para merecer essa distinção do povo goiano.

Deputado Cláudio Meirelles”