Secretário do Governo Pábio Mossoró, condenado por compra de votos, espalha fake news contra opositora Lêda Borges

O secretário do Governo Pábio Mossoró, Marcus Vinicius Mendes Ferreira, aprontou de novo. Com histórico ruim de condenação por compra de votos, abuso de poder econômico e fraude em licitação no Instituto de Previdência de Valparaíso, o secretário cometeu mais um crime. Ele espalhou fake news contra a opositora Lêda Borges, que também concorre ao cargo de prefeita da cidade.

Desta vez, Marcus Vinicius propagou notícias falsas de que a deputada estadual Lêda Borges teria sido a responsável por uma pesquisa eleitoral que a colocava à frente na disputa eleitoral. Apesar das falsas alegações, ficou provado que a tucana não possuía qualquer ligação com a pesquisa, sendo ela de responsabilidade de uma empresa de comunicação social.

Na própria decisão da Justiça consta que não é possível identificar quem haveria contratado o serviço.

Vale ressaltar que o conteúdo propagado refere-se a mensagens inverídicas, isto é, fake news, utilizadas para atacar e prejudicar Lêda Borges na corrida eleitoral no município de Valparaíso.

Assim, o secretário foi alvo de representação eleitoral. Além dele, Julio César Veras, o Blog do Poliglota e o Jornal Hora Extra também foram alvo da ação proposta por Lêda Borges. No documento, a tucana pede que a veiculação da mensagem com as informações falsas sejam cessadas no WhatsApp, assim como as fake news sejam retiradas dos mencionados sites, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 mil. A representação pede, ainda, que sejam proibidas a veiculação de novas mensagens caluniosas.

Histórico manchado

O secretário Marcus Vinicius Mendes Ferreira é um velho conhecido da Justiça. Ele sequer poderia ocupar cargo em comissão de secretário, já que possui ação civil pública do Ministério Público em seu desfavor, além de certidão criminal positiva por conta de fraudes de licitação no Instituto de Previdência dos Servidores Públicos de Valparaíso.

Importante ressaltar que o secretário foi denunciado pelo MP por ter fraudado, mediante ajuste, licitação do instituto, tendo, por três vezes, falsificado documento público em parte e, por quatro vezes, falsificado documento particular, para obter vantagem no procedimento que culminou com sua contratação, no valor de R$ 22,5 mil.

O histórico do secretário e coordenador de campanha do prefeito Pábio Mossoró não é nada bom. Em 2013, Marcus Vinícius teve o mandato de vereador cassado por compra de votos e abuso de poder econômico.

A negociação de 200 votos no bairro Parque Marajó estava gravada em um CD entregue para constar no processo. No áudio, 13 cabos eleitorais discutiam sobre os valores pagos a cada um deles. Com a decisão do juiz José Augusto Melo Silva, da 33ª Zona Eleitoral, Marcus Vinícius teve o diploma cassado e foi declarado inelegível por oito anos.