Mais Goiás: Vanderlan tenta passar a régua em declaração polêmica para superar desgastes

Veja abaixo nota da coluna Poder em Jogo, do site Mais Goiás:

Demorou duas semanas para a campanha de Vanderlan Cardoso (PSD) perceber o tamanho do estrago da declaração de apoio dele ao senador Chico Rodrigues (DEM-RR), flagrado dia 14 de outubro com dinheiro na cueca e nas nádegas pela Polícia Federal, em operação contra desvios de recursos para o enfrentamento à Covid-19. Vanderlan defendeu o colega em áudio enviado a um grupo de senadores no WhatsApp, dizendo que tinha com ele uma amizade de mais de 30 anos e que não havia nada que desabonasse a conduta de Chico Rodrigues. Hoje o candidato a prefeito de Goiânia postou um vídeo nas suas redes pedindo desculpas pela declaração e admitiu: “Falei bobagem”.

A questão agora é saber se o pedido de desculpas não veio tarde demais e se o eleitor vai acreditar na sinceridade do posicionamento 14 dias depois, com as pesquisas eleitorais apontando viés de queda em sua candidatura. Outro problema é que as primeiras manifestações de Vanderlan em sua própria defesa foram bem diferentes da divulgada hoje. Inicialmente, ele disse que não havia defendido o colega, mas somente se posicionado contra a interferência do STF na decisão de afastá-lo. Como mostrou esta coluna no dia 17, foi um tiro no pé. O candidato foi então massacrado nas redes sociais e na imprensa em todo Brasil por tentar negar o que estava registrado em áudio.

Após a tentativa malsucedida de se explicar, Vanderlan adotou a postura de se esquivar do tema enquanto coordenadores de sua campanha minimizavam o problema, falando na imprensa que o desgaste era restrito a nichos e logo estaria superado. Erraram mais uma vez. Desde que o áudio veio a público, Vanderlan tem sido criticado por eleitores nas redes sociais e, direta ou indiretamente, por alguns adversários políticos. As campanhas de Major Araújo e Maguito Vilela colocaram pílulas no ar sobre o episódio. Outros candidatos o atacaram diretamente em entrevistas e nas redes.