Artigo de Demóstenes Torres: “Amira, a guerra e a recente xenofobia do governo americano”

Leia abaixo artigo no ex-senador Demóstenes Torres:

Recentemente, assisti a um vídeo na internet que me deixou consternado. Tratava-se de um apelo da Agência da ONU para refugiados (Acnur), em busca de doações. Nele, uma criança, de apenas 6 anos de idade, gritava desesperadamente. O desespero era fruto de um evento trágico que marcou para sempre a história da pequena Amira: aprisionada no conflito entre a Arábia Saudita e o Iêmen, uma bomba caiu ao lado de sua casa, enquanto ela brincava. Aquele momento de felicidade tornou-se terror, marcando indelevelmente o seu espírito com a crueza da mais bárbara experiência que o ser humano pode vivenciar: a guerra. Após o ocorrido, ela nunca mais falou. Consegue apenas gritar.

Fatos como esse evidenciam nosso lamentável grau de evolução. Milhares de crianças sofrem, todos os dias, além das sequelas psicológicas provocadas por episódios traumáticos e da total falta de recursos materiais para uma vida digna, com os fantasmas da sede e da fome.

O caso de Amira é emblemático e nos leva a refletir. Como se sabe, a Arábia Saudita e o Iêmen estão em conflito desde o começo de 2015, por fatos que encontram raízes na “Primavera Árabe”, de 2011. O então presidente, Ali Abdullah Saleh, que assumiu o poder em 1990, entregou o cargo ao vice, Abdrabbuh Mansour Hadi. Fragilizado, o Estado iemenita viu seu antigo ditador se aliar militarmente aos houthis, grupo rebelde composto por zaiditas (dissidentes do xiismo) cujo lema é “Deus é Grande, Morte à América, Morte a Israel, Maldição aos Judeus, Vitória ao Islã”.

Saleh conseguiu tomar o poder novamente em 2014, mas logo foi morto pelos próprios houthis, que o acusavam de dialogar com a inimiga Arábia Saudita. Em março do ano seguinte, iniciou-se a intervenção direta de uma coligação composta pelos sauditas, Emirados Árabes e Estados Unidos, que pretende restaurar o governo de Hadi e combater os rebeldes, apoiados pelo Irã.

Segundo a ONU, mais de 6.800 civis morreram e ao menos 10.700 ficaram feridos desde o início do conflito. Grande parte das vítimas fatais é composta por crianças –como exemplo de trágicos episódios, cita-se ataque aéreo que matou 29, em agosto de 2018. O cenário ainda piorou com um surto de cólera que vitimou ao menos 2 mil pessoas e, agora, com a pandemia do novo coronavírus. Para se ter uma ideia do tamanho da catástrofe, 24 milhões de iemenitas (80% da população) precisam de ajuda humanitária e 3,6 milhões de pessoas estão deslocadas internamente.

Muitos dos conflitos que geraram uma infinidade de refugiados têm, ironicamente, como cúmplices aquelas nações que hoje se colocam contra uma política migratória responsável. No caso do Iêmen, noticia-se até a prática de crimes militares pela Arábia, com o apoio dos Estados Unidos, da França e do Reino Unido, destacando-se o brutal uso da fome como arma de guerra e o ataque aéreo indiscriminado a civis.

É preciso lembrar que os estadunidenses são, tradicionalmente, defensores da liberdade. Na Segunda Guerra, ingressaram de corpo e alma em favor da democracia, diante de um tenebroso nazismo que avançava da Europa para mundo; a força deles foi vital no confronto, ante a fragilidade da maioria dos países. Ademais, assim como o Brasil, os EUA sempre receberam imenso número de pessoas de todos os continentes (soma, hoje, quase 20% do total de imigrantes do planeta) e têm uma população absolutamente miscigenada.

Em tom de ruptura com essa tradição, Donald Trump foi um severo crítico da política migratória dos ianques. Atacava, com o estilo radical que lhe é peculiar, qualquer abertura maior do país à recepção de indivíduos refugiados. No entanto, embora se possa, talvez, lutar por uma racionalização no recebimento dessas pessoas, não se pode negar que os EUA são responsáveis por relevante parcela dos refugiados, sobretudo em razão dos conflitos de que participou, direta ou indiretamente, provocando a miséria de incontáveis seres humanos.

O Iêmen é apenas mais um caso, dentre tantos outros. O fato é que desde o início da “guerra ao terror”, no Governo George W. Bush, os Estados Unidos causaram, com suas infindáveis guerras, o deslocamento de mais de 37 milhões de pessoas, como noticiou o tabloide inglês The Guardian. Inúmeros iraquianos, afegãos, paquistaneses, filipinos, somalianos, iemenitas, líbios e sírios tiveram de abandonar suas terras natais para fugir da destruição que lhes assolara.

Então, deixando de lado a imbecil polarização política que hoje nos circunda, é possível perceber que a crise dos refugiados foi, em boa medida, provocada pelas potências ocidentais, por meio de injustificáveis incursões militares. Quantas Amiras não sofreram as angústias da guerra, sem que ao menos tivéssemos conhecimento? Quantas crianças ainda não padecem com as consequências dos conflitos de poder e interesse sem terem a possibilidade de pedir socorro? É estranho ver, no Brasil, pessoas gritando, do conforto de seus sofás, contra o acolhimento de refugiados, como se se tratasse apenas de uma guerra ideológica, sem atores reais, que vivenciam na pele a dor que pode causar a estupidez humana.

Por essas razões, a derrota de Trump tem um valor simbólico importantíssimo, pois abre, ao menos, a esperança de que Biden esteja ciente dos prejuízos que a radicalização proporciona aos direitos humanos e cumpra uma agenda política a fim de assumir a responsabilidade pelos danos causados a crianças, como Amira, para que outras não passem pela mesma situação.

O Poder360 integra o